Escreva para pesquisar

BOLA DA VEZ

Kiki Eisenbraun, diretora de Atendimento da H.A.M.nyc

Compartilhar

Foto Kiki

O projeto nasceu em Nova Iorque há pouco menos de um ano sob o comando do empresário Hebert Mota e do produtor Max de Castro, em parceria com Alvaro Alencar, renomado engenheiro e produtor musical, vencedor de 12 Grammy Awards. Agora, em São Paulo, o H.A.M.nyc conta com o talento de Kiki Eisenbraun (ex-Play It Again) à frente do Atendimento.

H.A.M.nyc é uma expressão que significa “hard as a motherfucker”. E, para os sócios, o mercado significa: “atender, fazer, ir, ralar e entregar, ao estilo H.A.M.nyc”. Abaixo, um bate papo com Kiki sobre os desafios da produtora, que já conta com Leão conquista do Festival de Cannes deste ano.

VoxNews – Vocês fizeram um caminho diferente do usual. Primeiro abriram a produtora nos Estados Unidos e em seguida lançaram em São Paulo. O que levou os sócios a investir no Brasil, ainda mais em um momento de crise e com diversos concorrentes?

Kiki Eisenbraun – Os grandes negócios se consolidam em momentos de crise. Onde só os “bons” ficam, e surgem os inovadores. Vindo de fora, acredito que se torna um diferencial. Hoje, por conta da tecnologia, podemos mixar em Nova York com o Alvaro Alencar (ganhador de 13 Grammy Awards); podemos gravar locuções de nativos, tudo em tempo real. Ter uma base estruturada em Nova York é muito chique, rs.

VoxNews – Você esteve muito tempo na Play it Again. Qual seria o principal diferencial da H.A.M.nyc em relação às outras produtoras?

Kiki Eisenbraun – Escolhi a H.A.M.nyc justamente por causa dos diferenciais que ela tem. Destaque para a estrutura – um dos nossos estúdios possui 120 m2, comportando gravações de DVD e até orquestras – e para o talento do Max de Castro, que consegue circular musicalmente em todas as áreas, sem falar no talento e experiência de todos os integrantes da equipe.

VoxNews – Os sócios têm uma forte ligação com música. Como o pessoal da H.A.M.nyc pode fazer diferença no mercado publicitário brasileiro?

Kiki Eisenbraun – Os sócios, Hebert Mota e Max de Castro, vivenciam diariamente o mundo da música. Eu conto para as pessoas que um dia, voltando de uma reunião, entrei na minha sala e dei de cara com o Mano Brown, sozinho, mexendo no celular.

Músicos famosos circulam pela H.A.M. como se fosse o quintal da casa deles. E tê-los na casa nos ajuda na hora de compor trilhas. Outro diferencial: geralmente usamos vozes que nunca fizeram publicidade, novas vozes. Devido ao curto prazo, as produtoras geralmente utilizam sempre os mesmos cantores, e isso se “vê” no ar. São sempre as mesmas vozes em jingles, spots etc. Como os sócios transitam pelo mundo da música, temos acesso a vozes famosas, ou a talentos que ainda não estouraram.

VoxNews – Nesse pouco tempo, a H.A.M.nyc já conquistou Leão em Cannes. Quais os principais trabalhos assinados pelo escritório paulista?

Kiki Eisenbraun – Já fizemos trabalhos para a Caixa, Seara, 3M, Honda, entre outros. Estamos desenvolvendo toda a plástica sonora da AlphaFM, e tem muita coisa boa que em breve será divulgada.

VoxNews – O que ainda te encanta na propaganda?

Kiki Eisenbraun – O que me encanta na publicidade é a diversidade e as inovações que temos hoje. Um job é completamente diferente do outro. Adoro fazer parte da peça publicitária. Com o áudio podemos mudar o sentido do filme, deixá-lo alegre, emocional, dramático, e é isso que me motiva e me encanta até hoje.

Deixe um Comentário