BOLA DA VEZ



O Bola da Vez é o espaço que o Vox News reservou para, através de entrevistas, mostrar o trabalho e a opinião de profissionais que estão se destacando no meio da comunicação e daqueles de quem ainda vamos ouvir falar...

Por Amanda Corrêa


Marcel Matsuda- fundador e diretor de Novos Negócios da fri.to

14/11/2016

_mg_2612

Eternamente incomodado com o “hoje” da comunicação, Marcel Matsuda lançou a agência fri.to em março de 2009. Formado pela ESPM em Comunicação e Marketing, Matsuda iniciou a carreira do outro lado do balcão: seu primeiro trabalho foi na adidas, onde permaneceu por oito anos. Segundo ele, o papel de um publicitário é estar eternamente questionando o status quo, pois só assim é possível se atualizar e entregar toda a inovação que os clientes demandam.
Atualmente, a fri.to possui clientes como ESPM, LG, Fini, Le Postiche, entre outros e é autora de trabalhos como o que colocou a adidas como a a marca de esportes mais falada durante a Copa do Mundo de 2014. E, na contramão da economia brasileira, a agência prevê um crescimento de 37,5% em reelação à 2015.

VoxNews – Você já atuou como cliente. Como vê essa parceria agência/cliente atualmente?

Marcel Matsuda – Fui oito anos cliente antes de fundar a fri.to. Sinto que muitas agências acabam se esquecendo da entrega de resultados, pois se perdem no mundo de premiações. Elas oferecem ótimas ideias, mas os clientes desejam muito mais. Eles querem compromisso com os objetivos de marca ou de negócios. Faço questão de deixar a fri.to fora dessa busca por prêmios. Não sou contra, mas nosso principal pensamento e foco estão em entregar a nossos clientes uma coisa muito valiosa que se chama resultado.

Voxnews – Por que lançar a fri.to? O que a agência pode oferecer de diferencial entre tantas espalhadas pelo país?

Marcel Matsuda – A fri.to já tem quase nove anos de existência. Na época de seu lançamento, identificamos que o mundo da publicidade estava em transformação. Passamos por grandes ondas de tendências dentro do digital. Quem está no meio sabe o quão dinâmico é a publicidade online. Um dia você produz sites e hotsites, depois acorda no dia seguinte com o surgimento de uma plataforma de relacionamento chamada Facebook, e vê seu irmão mais velho o Orkut, desfalecer diante de seus olhos. Ali, mais tarde um pouco, vê todas as marcas do planeta guerreando para ver quem consegue “comprar” mais fãs, e no momento seguinte a desilusão ao ver que foi tudo em vão por conta de um algoritmo que foi mudado e todas se dão conta de que o Facebook é uma entidade privada que promove lucros (OMG). Outras plataformas que eram coadjuvantes como Youtube viram desejo das marcas para terem seus vídeos com o título de mais acessados da web e logo depois também encararem que tudo não passou de um número comprado. Vimos a programática surgir e melhorar a entrega de resultados, e uma canibalização das DSP´s dentro de seus próprios segmentos, em meio a uma crescente bolha de micro produtoras que arriscam a vida apostando no futuro – atual branded content. Temos influenciadores digitais aparecendo e tomando conta de audiências inimagináveis, trazendo retornos para as marcas maiores que o de grandes emissoras. Enfim, neste tão dinâmico mundo de competências, a melhor agência é aquela que se mantém inovando todo dia. Um estado de desenvolvimento eterno. Esse é nosso diferencial, entregamos através de um pensamento consultivo, ou seja, uma entrega de trabalho além das expectativas e necessidades dos clientes. A missão de todos os dias é extrapolar as alternativas e possibilidades antes de realizar essa entrega.

VoxNews – Em um ano de recessão, a fri.to anunciou recentemente aquisições da Mesh Up e da Soda Play. Essa negociação já pode ser conferida em trabalhos assinados por vocês?

Marcel Matsuda – A Mesh Up era uma agência de branded content, portanto, muitos trabalhos podem ser vistos todos os dias nas redes sociais. Para aqueles que tiverem curiosidade, deem uma olhada no perfil do Instagram de um dos clientes que herdamos e que nos enche de orgulho: a @revolutiondespulga, uma marca da linha Pets da Pfizer, a Zoetis.

VoxNews – A agência nasceu como digital. Podemos dizer que agora se posiciona como uma agência full service? Quantos funcionários a fri.to tem atualmente?

Marcel Matsuda – A fri.to é uma agência interativa, mas nosso pensamento é macro. Pensamos em entrega full service, que é tudo aquilo que atenda nossos atuais e futuros clientes. Temos uma visão de negócio consultivo que, como falamos, precisa entregar inovação para o cliente. Isso nos obriga a entregar a excelência da comunicação e como web é a base da inovação atualmente, acabamos tendo um posicionamento digital e é isso que nossos clientes admiram na fri.to. Temos 40 funcionários.

VoxNews – Novos clientes chegaram à fri.to esse ano como Le Postiche e Fini. Houve um investimento na área de Novos Negócios da agência? Quem está à frente?

Marcel Matsuda – Eu sou o diretor de Novos Negócios da fri.to e estou sempre focado em prospecções, participar de concorrências e trazer bons negócios para a agência. Claro que isso só funciona, pois tenho um time de peso que atua fortemente cada em sua função e com isso o dia a dia flui de forma natural e precisa. Não digo que exista um formato de prospecção ativo ou que isso e aquilo funcionem. Nosso business cresce muito devido ao resultado de entregas e networking.

VoxNews – A fri.to adotou programa de home office. Como isso funciona? Vocês já podem ver mudanças na produtividade dos funcionários com essa iniciativa?

Marcel Matsuda – Com o mesmo espírito e crença de que com acesso à rede tudo pode ser bem feito, nós adotamos sim o home office todas as sextas-feiras. Trabalhamos com o intangível: informação e conhecimento. E isso pode ser acessado de qualquer lugar. Eu sinto que eles estão mais felizes e consequentemente, produzem igualmente ou até melhor no dia da semana que antecede o final de semana. Foi uma escolha aplaudida por todos eles e que deu muito certo!

VoxNews – Há expectativa de crescimento em 2016? E novos investimentos e aquisições?

Marcel Matsuda – Sim, com certeza. Prevemos um crescimento de 37,5% este ano (com relação ao ano passado) e nosso objetivo é atingir um faturamento de R$ 16 milhões até o final de 2016. Estamos em fase de namoro e, portanto, pode ser que aconteçam novas aquisições neste segundo semestre, pois iremos investir em setores de grande potencial de crescimento, como o digital. Estamos interessados em aquisições que complementem nosso core business e que nos ajudem a acelerar nossa estratégia de negócios, oferecendo mais serviços e qualidade para nossos clientes.

  • compartilhe: