JWT cria para Comissão Extraordinária! De Direitos Humanos e Minorias

25/04/2013

Acontece nesta quinta-feira, 25, às 19 horas, na Praça Roosevelt, a primeira Sessão da Comissão EXTRAORDINÁRIA! de Direitos Humanos e Minorias. A sessão será presidida pelo cartunista Laerte com a participação dos deputados que renunciaram à CDHM depois que ela passou a ser presidida por Marco Feliciano (PSC) e de todos os parlamentares que queiram integrar a iniciativa.

Na pauta, estarão alguns dos “temas proibidos” pelo pastor, como união civil homo afetiva, regulação das profissionais do sexo e aborto, além do próprio impasse em que se encontra a CDHM. A sessão funcionará como um espelho avesso da CDHM – refletindo as pautas, mas produzindo debates de outra qualidade.

Mais que um ato de negação a Feliciano, a Comissão EXTRAORDINÁRIA! é uma afirmação de valores ameaçados hoje, como a tolerância, a diversidade, a convivência, o diálogo, a inclusão e a construção de políticas públicas que se assentem sobre os princípio de um Estado laico, como determina a Constituição. Como nas comissões formais, em Brasília, esta também estará composta por uma mesa, na qual estarão sentados parlamentares, ativistas e artistas. O público também terá direito à palavra por meio de inscrição prévia no momento.

A Sessão da Comissão EXTRAORDINÁRIA! é organizada por um coletivo de indivíduos e organizações que há meses já se articulam em torno do movimento Existe Amor em SP, entre elas a Conectas – organização internacional de direitos humanos fundada em São Paulo em setembro de 2001, com status consultivo no Conselho de Direitos Humanos da ONU e status de observadora na Comissão Africana de Direitos Humanos e dos Povos.

A JWT apoia a causa e, para ajudar na divulgação do evento, criou um anúncio que circulou ontem na Folha de São Paulo, além de banners veiculando em diversos sites, como UOL, Yahoo, Omelete, sites da Abril, entre outros. As peças contam com uma ilustração de Laerte que reforça: a Sessão da Comissão EXTRAORDINÁRIA! De Direitos Humanos e Minorias é para todos, sem discriminação.

  • compartilhe: