Escreva para pesquisar

MÍDIA

Justiça manda Pânico ficar a 100m de Silvio Santos e proíbe imitação

Compartilhar

Os humoristas do Pânico e todos os profissionais da Band estão proibidos de imitar, captar e exibir imagens e até de se aproximarem do apresentador Silvio Santos. O desembargador Vito Guglielmi, do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, concedeu na última segunda-feira efeito suspensivo proibindo profissionais da Band de se aproximarem do apresentador em um raio de 100 metros, para captar imagens ou fazer entrevistas. Guglielmi também proibiu a Band “da perseguição, do cerco e do constrangimento à participação [de Silvio Santos] em seus programas”. A Band também está impedida de fazer a “captação, utilização e exibição de suas imagens [de Silvio Santos] e características pessoais, inclusive por meio de imitações e caricaturas, principalmente no que envolva a sua exploração não autorizada, sob pena de multa diária de cem mil reais”.

A decisão, assim, impede o humorista Wellington Muniz, o Ceará, de interpretar seu principal personagem. Embora a medida tenha sido provocada pelo Pânico, ela afeta todos os programas da Bandeirantes. O agravo de instrumento [instrumento jurídico que resulta no efeito suspensivo, como uma liminar de segunda instância], foi pedida pelo próprio Silvio Santos. O dono do SBT ficou “profundamente aborrecido” com o fato de humoristas do Pânico terem dublado uma ação sua, colocando em sua boca um palavrão que ele não teria dito. Nos programas dos dias 6 e 13 de maio, o Pânico mostrou Rodrigo Scarpa, o Repórter Vesgo, abordando Silvio Santos na entrada do salão de cabeleireiros Jassa, em São Paulo. Silvio Santos não quis conversa. Fez um gesto que o Pânico interpretou como um palavrão (“vai se f…”). Silvio Santos recorreu ao Tribunal de Justiça porque não teve sucesso na primeira instância da Justiça. O juiz que analisou o caso negou liminar porque, avaliou, feriria a liberdade de imprensa. Mas o desembargador Vito Guglielmi interpretou que houve “abuso” por parte do Pânico. Cabe recurso da decisão.

Do blog do Daniel Castro, no R7

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *