José Borghi deixa a Mullen Lowe

15/03/2018

 

José Borghi anunciou no início da noite de ontem a sua saída da MullenLowe Brasil, onde ocupava o cargo de co-CEO. No comunicado enviado informa que vai tirar um período “erratico”. “Vou tirar um período errático, que é um sabático sem a menor ideia do que fazer.”

Borghi fundou a agência em 2002 ao lado de Erh Ray – a então BorghiErh – quando foi adquirida pela rede Lowe em 2006. Com a saída de Erh Ray, em 2012, o sobrenome foi omitido e a agência passou a atuar como Borghi/Lowe.

Em dezembro de 2015, a agência foi renomeada como Mullen Lowe Brasil, em alinhamento com a rede global do grupo Interpublic. Nessa mesma época, a agência foi envolvida na Operação Lava-Jato e o ex-vice-presidente do escritório brasiliense, Ricardo Hoffmann, chegou a ser preso pela Polícia Federal. A Mullen Lowe perdeu as contas do Ministério da Saúde e da Caixa Econômica Federal e fechou a sede em Brasília, mantendo os escritórios em São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Agora, a gestão fica concentrada no também co-CEO André Gomes e a área área de Criação, que estava sob a liderança de Borghi, passa a ser comandada pelos diretores de Criação Eduardo Salles e Gil Pinna, promovidos há quase um ano.

 

Abaixo, o comunicado:

 

“Antes que comecem as especulações e teorias sobre minha saída deixa eu dar minha versão:

 

Sim, estou fazendo como a Anitta, dando uma paradinha. Vou tirar um período errático, que é um sabático sem a menor ideia do que fazer. E também não sei de quanto tempo será esse período; podem ser dias, podem ser anos (viu como não faço ideia mesmo?)

 

Então vou aproveitar as impermanências da vida e da profissão para passar uma temporada sei lá onde.

Fazer um curso não faço ideia do que.

Começar e parar no meio de uma penca de projetos. Errar feio, errar rude:)

 

Minha ideia neste momento é não ter nenhuma. Não existe plano B. Ainda.

Assustador e empolgante ao mesmo tempo, não?

 

A agência continua como sempre esteve nos últimos tempos, com a condução irretocável do André e a direção de criação talentosíssima do Duda e do Gilmar (a propósito, eles já estavam tocando as coisas perfeitamente bem muito antes dessa minha decisão).

 

Por fim, queria aproveitar a ocasião e fazer algo que sou muito ruim: agradecer. 

A todos que permitiram que eu participasse das suas vidas e de centenas de momentos de alegrias, de apreensões, esperanças, decepções, molecagem, euforia, vitórias incríveis e derrotas acachapantes – alguns, diária e intensamente, outros só de passagem – saibam que eu aprendi com todos. Com cada um de vocês. E que sou eternamente grato. 

 

Segue a vida. Seguem as mudanças. 

Beijos emocionados. Terei saudades infinitas.

Zé Borghi”

  • compartilhe: