Escreva para pesquisar

MÍDIA

Ibope pode quase dobrar amostragem de audiência

Compartilhar

O Ibope apresentou aos seus clientes, dias atrás, uma proposta de ampliação da amostragem de medição de audiência de TV no Brasil. De olho na chegada do concorrente alemão GfK, que pretende aferir audiência no país, o Ibope reuniu-se com agências de publicidade e emissoras para mostrar projetos que visam reduzir a margem de erro dos dados das pesquisas de TV.

O Ibope afere audiência de TV em 4.500 domicílios no país. Pela primeira proposta, essa amostragem subiria para 5.850 domicílios, com um adicional de R$ 10 milhões anuais no custo. O Ibope recebe ao todo de seus clientes cerca de R$ 90 milhões por ano por pesquisas de TV.

A segunda proposta aumentaria a amostra para 6.700 domicílios, com um adicional anual de R$ 17 milhões. A terceira traz uma amostragem com 7.900 domicílios, por R$ 26 milhões a mais. A amostra de São Paulo passaria de 800 para até 2.160 domicílios.

O GfK pretende entrar no país com uma amostragem de 8.000 domicílios – 35% maior que a atual do Ibope. O orçamento preliminar do instituto é de R$ 50 milhões por ano.

Procurado, o Ibope confirma a proposta de ampliação da amostragem de medição de audiência, mas diz que foi um pedido dos clientes.

Da coluna Outro Canal, da Folha de S. PauloO Ibope apresentou aos seus clientes, dias atrás, uma proposta de ampliação da amostragem de medição de audiência de TV no Brasil.

De olho na chegada do concorrente alemão GfK, que pretende aferir audiência no país, o Ibope reuniu-se com agências de publicidade e emissoras para mostrar projetos que visam reduzir a margem de erro dos dados das pesquisas de TV.

O Ibope afere audiência de TV em 4.500 domicílios no país. Pela primeira proposta, essa amostragem subiria para 5.850 domicílios, com um adicional de R$ 10 milhões anuais no custo. O Ibope recebe ao todo de seus clientes cerca de R$ 90 milhões por ano por pesquisas de TV.

A segunda proposta aumentaria a amostra para 6.700 domicílios, com um adicional anual de R$ 17 milhões. A terceira traz uma amostragem com 7.900 domicílios, por R$ 26 milhões a mais. A amostra de São Paulo passaria de 800 para até 2.160 domicílios.

O GfK pretende entrar no país com uma amostragem de 8.000 domicílios – 35% maior que a atual do Ibope. O orçamento preliminar do instituto é de R$ 50 milhões por ano.

Procurado, o Ibope confirma a proposta de ampliação da amostragem de medição de audiência, mas diz que foi um pedido dos clientes.

Da coluna Outro Canal, da Folha de S. Paulo

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *