Escreva para pesquisar

BOLA DA VEZ

Daniel Bensusan – diretor de Criação Associado da Publicis

Compartilhar

Como impedir aqueles que cometem bullying de usar o WhatsApp? Com essa pergunta criativos brasileiros criaram uma plataforma para combater a prática nociva do cyberbullying. Com os apoios da agência White Rabbit Budapest e nove universidades e instituições de ensino portuguesas foi desenvolvida a plataforma TermsAgainstBullying.com.

O site recebe as denúncias contra o bullying digital e envia ao órgão regulador do país da Europa correspondente ao número telefônico, que ficará responsável por cobrar a operadora de cumprir o que está no contrato: o cancelamento do contratante que praticou violência digital.

Uma das bases para endossar a campanha foi um estudo recém-publicado no Reino Unido que indicou que adolescentes que sofrem bullying apresentam até três vezes mais chances de tentar suicídio.

O VoxNews conversou com Daniel Bensusan, diretor de Criação Associado da Publicis e um dos criadores da ação ao lado dos também brasileiros André Nunes Bueno, André Felix, Luis Paulo Gatti, Kauê Barbosa, Marcos Mendes Tanaka e Rafael Bonarcina.

Para conferir o case clique aqui.

 

VoxNews – Como vocês chegaram ao WhatsApp para cometer o Bullying?

Daniel Bensusan – Tudo começou quando a gente estava discutindo sobre bullying e uma notícia que o Instagram tinha lançado sobre o tema. Estávamos falando como as redes sociais estão trabalhando para conter isso, que a maioria tem ferramentas específicas, ações de comunicação e chegam a banir o usuário que cometer bullying naquela rede social. Mas, uma delas, o WhatsApp, que é a ferramenta de comunicação mais usada no mundo hoje em dia, vai na contramão disso. Por causa de sua criptografia, as pessoas que cometem bullying ficam impunes. O WhatsApp diz que não pode intervir porque ele não tem controle sobre a troca de mensagens. Isso já deu vários problemas com a polícia no mundo todo. Está toda hora nas notícias.

No Brasil, por exemplo, o vice-presidente do Facebook na América Latina chegou a ser preso por não ceder dados de uma conversa de WhatsApp. Foi assim que começou essa ideia, com essa pergunta. o que a gente poderia fazer para impedir aqueles que cometem bullying de usar o WhatsApp?

 

 

VoxNews – São vários brasileiros na criação do projeto? Pode-se falar em um projeto pessoal com a chancela da White Rabbit Budapest?

Daniel Bensusan – O projeto começou em uma conversa sem compromisso entre três amigos muito tempo atrás. Acho que foi em 2015 ou 2016. Virou um brainstorm sério com um insight poderoso. Descobrimos que nos Termos de Serviços das operadoras de telefonia móvel e internet existe uma cláusula que deixa bem claro: se o usuário usar o serviço para cometer qualquer tipo de agressão ou infringer a lei, a operadora pode cancelar o contrato e parar de fornecer o serviço para aquela pessoa. Era a ferramenta que a gente precisava para tirar os bullies do WhatsApp. Aí, virou job.

Sabíamos que a ideia que tínhamos acabado de chegar era importante demais para ser apenas um projeto pessoal de três criativos. Esse era um projeto gigante que ia dar um trabalho ainda maior. Precisávamos analisar todos os contratos de todas as empresas de telefonia móvel e internet do mundo todo. Imagina? Então começamos a envolver mais gente na ideia. Gente do mundo todo. Todos criativos e amigos. Um deles trabalha na White Rabbit e, não só entrou pra ajudar, como trouxe toda a infraestrutura e recursos da agência para ajudar junto. E foi assim que conseguimos tirar o projeto do papel. Sem a White Rabbit seria impossível fazermos tudo o que fizemos.

 

VoxNews – Qual o papel das universidades e escolas portuguesas nesse projeto?

Daniel Bensusan – São clientes da White Rabbit. Para o projeto ganhar vida e mais relevância precisávamos de um porta-voz que entendesse do drama e das consequências do bullying. Nada melhor do que escolas e universidades, que sofrem com isso diariamente. Esse é um tema que foi levantado muitas vezes, principalmente depois do sucesso de “13 Reasons Why”, da Netflix, que fala exatamente disso. Foi um match perfeito. Eles se apaixonaram pelo projeto e abraçaram a ideia na hora. Foi inclusive por causa deles que decidimos lançar a plataforma TermsAgainstBullying.com em toda a Europa primeiro.

 

VoxNews – Existe a ideia de expandir para outros mercados?

Daniel Bensusan – Com certeza. Para o mundo todo. Já estamos nos preparando para trazer pro Brasil. Tanto brasileiro na ideia, o Brasil tinha que ser o próximo da lista, né?

 

VoxNews – Já existem resultados dessa ação?

Daniel Bensusan – A ação foi lançada agora, tem uma semana. Estamos na fase do PR ainda. Para que todo mundo use a ferramenta, ela precisa chegar à todos. O foco agora é divulgar nas escolas e universidades de toda a Europa e tentar usar os meios de comunicação para divulger o máximo possível.

Tags:

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *