BOLA DA VEZ



O Bola da Vez é o espaço que o Vox News reservou para, através de entrevistas, mostrar o trabalho e a opinião de profissionais que estão se destacando no meio da comunicação e daqueles de quem ainda vamos ouvir falar...

Por Amanda Corrêa


Bob Soares – Diretor de Cena da TudoBem Filmes

18/10/2013

O diretor de cena Roberto Soares, o Bob, como é conhecido, é sócio e diretor de cena da TudoBem Filmes. Já realizou trabalhos em parceria com grandes agências, como F/Nazca, AgênciaClick, Africa, DM9DDB, Ogilvy, JWT, Publicis, Giacometti, e Young&Rubicam. Além dos trabalhos publicitários, Bob trabalha atuamente na produção de seu primeiro longa-metragem.

Bob vem de uma tradicional família paulistana, cuja história está ligada ao cenário cultural brasileiro. É trineto de Olívia Guedes Penteado, “A Senhora das Artes”, mecenas e amiga do maestro Villa-Lobos e grande incentivadora do movimento modernista brasileiro. É também sobrinho da escritora Lygia Fagundes Telles. Por ter crescido nesse ambiente é essencialmente um apaixonado pelas artes, em todas as suas manifestações, especialmente o cinema.

Aos 16 anos teve seu primeiro contato com a publicidade: a fazenda de seus avós foi utilizada como locação para um comercial produzido para o Açúcar União. A partir daí, Bob começou como estagiário de produção de filmes e rapidamente tornou-se assistente de direção, trabalhando para importantes diretores da época. Aos 21 anos dirigiu seu primeiro comercial e não parou mais.

Em 1997 fundou a Bob Films, que em 2008 passou a se chamar TudoBem Filmes, uma produtora alinhada com o atual momento do mercado, onde a inovação vem ganhando cada vez mais espaço. A produtora inaugurou uma nova fase na carreira de Bob, que atualmente dirige projetos de todos os portes e formatos.

Nesta entrevista, Bob fala mais sobre o mercado, sobre a produção de filmes para internet, projetos paralelos e planos para o futuro. Confira:

VoxNews – Você é considerado um diretor experiente, que têm histórias para contar. Como é sobreviver num mercado tão disputado?
Bob Soares – Acredito que a grande palavra do momento no universo da comunicação seja “inovação”, que se traduz na busca de novos caminhos para comunicar e, consequentemente, conquistar e encantar o consumidor. E acredito que é o que vem acontecendo: as marcas buscando novas formas de interagir com o seu público, produzindo para diversas telas e formatos, buscando cada vez mais qualidade e conteúdo. Particularmente acho isto muito positivo para o mercado. E para sobreviver neste mundo cheio de possibilidades e atender a todas essas novas demandas – web, branded content, projetos de integração on/of convergentes ou não – optei por um formato de trabalho onde não fico “engessado” criativamente.

Dependendo do que o projeto pede, chamo profissionais de diversas áreas, que podem ser desde estilistas, consultores de tendências, designers, arquitetos, artistas plásticos ou escritores. Uma equipe multidisciplinar e em sinergia, sob-medida para cada job. Acho que daí vem minha permanência e sobrevivência neste meio: buscar matéria humana” e talentos inovadores, não importando o desafio ou o tamanho do projeto. E posso afirmar que tenho tido excelentes resultados trabalhando assim.

VoxNews – Produzir filmes para internet é hoje uma realidade. A TudoBem Filmes tem produzido para a web?
Bob Soares – Sim. Diria que cerca de 60% da nossa produção hoje é direcionada para a web, onde muitas vezes o mapa de veiculação pode mudar. On / Off integrados.

VoxNews – Como você analisa o nicho de produção para internet? Este tipo de produção dá mais liberdade ao diretor?
Bob Soares – Gosto muito de dirigir filmes e conteúdo para a internet. Acho que mais do que liberdade, há ainda mais troca, mais integração e cumplicidade entre os criativos e diretores, do que propriamente “liberdade”, até porque sempre existe e sempre vai existir o cliente.

Esse estreitamento de relações acaba gerando resultados surpreendentes e muito interessantes. Muitas vezes não existe e nem se inicia um projeto com um roteiro fechado e já aprovado pelo cliente. Tudo muito orgânico e algumas vezes, mais experimental.

VoxNews – Você defende a união On/Off?
Bob Soares – Na minha opinião ela já existe. Como diretor não importa se o projeto é on ou off, conteúdo para TV fechada ou aberta, convergentes ou não. O que eu gostaria é que houvesse uma melhor adequação ou planejamento de verbas direcionadas para os projetos em sua totalidade, uma divisão mais equânime entre on/off. No final, todos os formatos, independente da grana, pedem e necessitam de qualidade e relevância.

VoxNews – No momento você está envolvido em algum projeto de conteúdo?
Bob Soares – Sim. Trata-se de um projeto de um longa-metragem, que estou desenvolvendo ao lado da escritora e grande historiadora Mary Del Priore. Aproveito para declarar que estou tendo um enorme prazer em trabalhar ao seu lado. O filme vai contar a vida de um personagem complexo, pouco conhecido de nossa história e que, como define o jornalista Eduardo Bueno: “Trata-se de um romance de não ficção. A vida de Pedro de Saxe e Coburgo – o príncipe que sonhou ser D. Pedro III, mas virou sapo quando o império das circunstâncias cedeu lugar à república dos fatos”.

O filme é totalmente baseado no livro “”O Príncipe Maldito”, de autoria de Mary Del Priore. Maiores detalhes em breve!

VoxNews – Como o Bob Soares se reinventa? Você busca referências em que canais?
Bob Soares – Entendo como reinvenção manter a mente tranquila, mas atenta a tudo o que está acontecendo. Há algum tempo li um livro do David Lynch que tratava basicamente de meditação, criatividade e deste “futuro” digital que viria. Bom, o futuro virou presente e eu confesso que nunca consegui meditar classicamente como ele (rs). Mas manter a mente silenciosa é um exercício que faço e é fundamental para realizar o meu trabalho. Nasci num meio totalmente voltado às artes, cresci respirando esse universo que sempre entendi como mágico. Minha infância é o meu principal canal e não poderia ser diferente. Mantenho-a viva, através deste exercício.

VoxNews – De que forma você analisa a Lei 12.485?
Bob Soares – Analiso de forma positiva. Um incentivo à indústria do mercado audiovisual brasileiro. Afinal, 3h30 (três horas e trinta minutos) de veiculação de conteúdo nacional por semana nos veículos qualificados, já é um bom começo. Mas ainda falta melhorar alguns pontos, principalmente se analisarmos que valem reprises.

VoxNews – Planos futuros?
Bob Soares – Muitos, mas tenho prioridades. Atualmente estou trabalhando no projeto de meu longa, que consome uma boa parte de meu tempo. Além disso, vou continuar atendendo agências e dirigindo meus projetos de publicidade.

  • compartilhe: